quarta-feira, 29 de maio de 2013

SOROCABA! CIDADE DO CORAÇÃO!!






Há um pouco mais de três anos saí de minha amada São Paulo onde nasci e fui criada. O motivo?! Muita desorganização, a bandidagem correndo solta, violência em todos os sentidos, tanto física, como moral e lá, sossego é apenas uma palavra no dicionário que qualquer dia não será mais um verbete que se reconheça assim tão rapidamente. As próximas gerações não saberão o seu verdadeiro significado.

Bem, depois de algumas pesquisas a respeito de qual cidade eu escolheria, decidi-me por Sorocaba por considerá-la uma cidade de interior com cara de cidade grande. Explico: cidade bem estruturada, com escolas, hospitais, universidades e comércio diversificado e com o tão desejado sossego. As ruas se mantinham limpas, percebia-se o comprometimento do poder público em resguardar o patrimônio, bem como a vida de sua população. Fui morar num bairro tranquilo e confesso que no primeiro ano eu usufruí da cidade de maneira completa.


Passado um tempo, comecei a ver que a cidade estava mudando. Estava crescendo, mas de forma desordenada. As ruas começaram a ficar sujas. Os parques começaram a ser frequentados por cidadãos sem educação que colocavam música de gosto duvidoso regadas a palavras de baixo calão e incentivando pornografia. Os buracos nas ruas começaram a aparecer sem que fossem imediatamente consertados. Pessoas começaram a mendigar, pois encontraram em Sorocaba, a maior cidade da região, oportunidade de ter um dinheirinho no bolso dado pelos generosos cidadãos que compram sua consciência limpa por cinquenta centavos. Eles abordam os carros nos faróis correndo o risco de serem atropelados causando transtorno ao motorista e ao trânsito (tema que merece um capítulo à parte, pois até hoje estou esperando providências do antigo prefeito com relação à tal “Onda Verde” que jamais saiu do papel, a qual foi noticiada em jornais de respeito de nossa cidade). É preciso uma política social urgente para estes moradores de rua, a fim de dar-lhes dignidade de vida e não uma moedinha. Isso sem falar no colapso da Saúde Pública, Segurança Pública e Escola Pública!!

Atualmente, além de todos os problemas citados no parágrafo anterior, me deparo com uma Sorocaba degradada. Começando pelas bandeiras que estão espalhadas pela cidade que nos fazem lembrar que somos cidadãos desta cidade, deste estado e deste país que estão rasgadas e abandonadas, coisa inadmissível, encontramos também, além dos já mencionados mendigos, “artistas” fazendo malabarismos com bolinhas, fitas e o “escambau a quatro” com caras de tontos e estendendo a mão por uma moedinha, e pior (!!) , crianças vendendo balas nos faróis sendo supervisionadas por adultos e numa das ocasiões disse à uma garota que não tinha mais que 10 anos que fosse para casa que eu iria chamar o Conselho Tutelar. Ela me respondeu de forma arrogante que estava, pasmem, trabalhando!! Ora, trabalho infantil é crime! Imediatamente comuniquei à Guarda Civil denunciando o acontecido e o que ouvi foi que o Conselho Tutelar, por se tratar de feriado (isso aconteceu nos feriados de Páscoa) somente atenderia no plantão deles e que não adiantava nada que eles não iriam averiguar, sem falar que eu, cidadã comum, sem cargos públicos, a denunciante, teria que ficar no local aguardando por sei lá quanto tempo as viaturas chegarem e acompanhar a denúncia. Juro que não consigo entender tal procedimento, vez que crime quem combate é a polícia que é treinada para isso, o poder público!


Fiquei pensando. Uma garota de menos de 10 anos não se intimidou com a minha fala e ainda por cima foi extremamente indelicada com uma mulher nos altos dos seus 50 anos, o que será do futuro de nossa cidade?!

Se quem tem que fazer seu trabalho não faz, qual o destino que Sorocaba terá?! Minha parte eu faço para apagar este incêndio que é denunciar, tal qual faz o beija-flor que leva água no bico para apagar o fogo na mata.

Sorocaba certamente virará uma São Paulo e eu terei que procurar outra cidade para buscar o meu tão sonhado sossego!! Será, ou ainda tem jeito?!








fotos: coletadas na internet (desconheço a autoria)

terça-feira, 28 de maio de 2013

PENSAMENTOS

Se não expressarmos o que pensamos, não conseguiremos ser compreendidos e conhecidos. 

Somos moldados pelas nossas experiências vividas que se não as compartilharmos com as pessoas, como poderemos interagir com elas?

Vivemos num mundo de futilidades, onde o que se vê externamente é considerado muito importante. O que eu mais valorizo é a essência, nossas construções como seres humanos dotados de sentimentos, cultura, pensamentos e ideais. Tudo isso junto e misturado é que desperta em mim interesse e sentimentos mais nobres.


Para que estes sentimentos não sucumbam, devem ser alimentados quase que diariamente com trocas de experiência e carinho para que não caiam no esquecimento e fiquem arquivados em algum lugar que, pela falta de acesso, deixamos de lembrar onde guardamos até que a poeira e outros arquivos escondam o que poderia ser algo brilhante levando para morte sufocados por falta de oxigenação.

Acordei muito filosófica, né?! Talvez um pouco confusa. Relevem, a essência feminina é assim mesmo. Quem entende as mulheres?....

foto: coletada na internet (desconheço a autoria)

sexta-feira, 24 de maio de 2013

CABEÇA ESPERTA, CORAÇÃO TRANQUILO


Na vida passamos por diversas adversidades que não entendemos muito bem por quê. Problemas nos visitam sem pedir licença para entrar em nossa vida, assim como as alegrias. Do nada, esses dois vêm e vão num piscar de olhos que nem percebemos e nos deixam sem equilíbrio necessário para dar um passo à frente e continuar a caminhada rotineira.

Somos acostumados com a rotina, portanto o caos que as tempestades e os dias extremamente quentes nos proporciona é tamanho, que tanto para sair da depressão como da euforia é trabalhoso e desgastante.

Com os problemas perdemos o ânimo para prosseguir e deixamos que o medo e a insegurança tomem conta do espírito nos abatendo de tal maneira que, o simples ato de sair da cama se torne uma tarefa tão árdua que nos deixamos ficar largados sem nos importarmos com os afazeres do dia a dia, fazendo com que deixemos nossas responsabilidades de lado.

Com as alegrias não é muito diferente. Muitas vezes ficamos num estado eufórico tal, que passamos a sonhar e planejar tomados pelo otimismo exacerbado e deixamos de ponderar e perceber a vida como ela realmente é. O fato de negar que os problemas existam, muitas vezes, nos transforma em pessoas completamente fora da realidade.

Somos feitos de negações e afirmações. Negações nem sempre são pontos fracos como afirmações pontos positivos. Há uma simbiose entre esses dois aspectos, pois problemas nos fortalecem e formam nosso caráter, assim como positivismo demais nos afasta de uma vida equilibrada. 

Todo problema necessita de coração atento e tranquilo para enfrentá-lo, assim como as alegrias da vida necessitam de cabeça esperta para não sofrer decepção.

Cabeça esperta e coração tranquilo são a chave do bem viver.


foto: da querida amiga Christiane Freire extraída do blog Esporte na Mochila (esportenamochila.wordpress.com)

quarta-feira, 22 de maio de 2013

VAZIO



Mente ativa,
Mente pensante,
Mente pulsante,
Mente vazia.

Tanto a pensar,
Tanto a entender,
Tanto a considerar,
Nada a dizer.

Vida nos leva,
Vida nos laça,
Vida nos traça,
Nos tomba feito caça.

Dias melhores,
Pessoas melhores,
Momentos sublimes,
Um dia alcanço,

Num delicioso abraço!

foto: coletada na internet (desconheço autoria)

sexta-feira, 17 de maio de 2013

MINHA ALMA É PANTANEIRA




Nunca fui para o Mato Grosso,
Nunca vi o Rio Cristalino deslizando,
Com a pureza de suas águas limpinhas.
Nunca explorei os segredos de suas matas,
De árvores frondosas e copas exuberantes,
Moradia de animais exóticos e maravilhosos.

Mas, minha alma é pantaneira!

Nunca desfrutei do silêncio de sua natureza,
Nem da gritaria de suas aves a passear pelo céu,
Anunciando a vida com seu canto poético.
Nunca senti na pele o calor e a umidade de seu clima
Nem vi de perto os macacos-aranha da cara branca
Balançando as árvores numa deliciosa festa.

Mas, minha alma é pantaneira!

Nunca presenciei o compadre Banga, espécie de garoto propaganda,
No centro de Cuiabá, atraindo clientes para todo tipo de comércio.
Nunca participei da dança do Siriri no Quilombola Campina Grande em Poconé,
No antigo ritual de mulheres de pé no chão,
Onde casais se desafiam e acabam numa enorme roda tranquila,
Ao som da viola de cocho, tamboril e ganzá.

Mas, minha alma é pantaneira!

Nunca estive em Várzea Grande,
No vilarejo Passagem da Conceição à beira do Rio Cuiabá,
Berço de vida dos moradores da região com seus pacus, pintados, curimbatás e piraputangas,
No esplendor do casario de ar colonial,
Para desfrutar da companhia de Comadre Odilza e Seu Nhonho
Apreciando o diferente dialeto cuiabano.

Mas, minha alma é pantaneira!

Por que minha alma é pantaneira?
Porque ouvi certa vez que
Ser pantaneiro é gostar de coisas simples,
Se acostumar com as distâncias,
Saber viver com vagar e, principalmente,
Respeitar a natureza e apreciar a liberdade.

Por tudo isso, minha alma é pantaneira!


foto: coletada na internet (desconheço a autoria)

quinta-feira, 16 de maio de 2013

NOITE ITALIANA



Ontem fiquei emocionada, meu bebê definitivamente está crescendo. Mas ainda não o perdi.

A cada dia que passa, André se torna mais sério e compenetrado sem, contudo, perder o bom humor, o riso largo e a perspicácia que lhe é inata. Sério, mas lapidado pelas experiências vividas nos seu vasto 10 anos de vida.

Outro dia ele aprontou uma peraltice e ficou de castigo. Permaneceu sem TV e sem passeio até que terminasse de cumprir uma determinada tarefa que lhe dei que foi escrever em algumas folhas de caderno uma frase que o fazia lembrar para sempre que não deveria cometer o mesmo erro.

E ele enrolou para fazer isso, mas cumpriu não assistindo TV, pelo menos não os desenhos animados que costuma ver. Só que de vez em quando dava uma escapulida para a sala e ficava vendo os programas que gostamos como noticiários, shows no canal BIS, documentários no Discovery Chanel e History Chanel e alguns filmes compatíveis com sua idade. Muitas vezes fazemos vistas grossas, afinal de contas são programas saudáveis e no mínimo está aprendendo alguma coisa.

Percebi que durante este tempo ele amadureceu. Não escreveu o que deveria, mas percebi certa mudança em seu comportamento que tem se apresentado mais calmo. Desenvolveu mais seu senso crítico, tem ouvido mais música e lido livros, coisa que ama fazer.

Mas do que André gosta mesmo é de cozinhar, em nada puxou à mãe, que, muito embora cozinhe bem (modéstia à parte), não gosto muito de realizar esta tarefa. Ele vive lendo livros de receita e fazendo bolos. Incrível como tem prazer em mexer nas panelas, até me pediu para colocá-lo em um curso de gastronomia para crianças que tem aqui na cidade.

Voltando à minha emoção relatada no início, ontem André me fez uma pequena surpresa. Enquanto estava aqui escrevendo meus textos (quando faço isso parece que me desligo do mundo), André preparou-me uma noite italiana. Vestiu sua roupa social de mafioso (calça e camisa social pretas) e disse para eu tomar meu banho e colocar um vestido. Quando cheguei à mesa para jantarmos, esta estava posta com uma deliciosa macarronada com molho de linguiça acompanhada de uma garrafa de vinho. Na decoração da mesa havia velas.

Saboreamos a deliciosa macarronada com gostinho de quero mais. Olhei para aquela criança que está quase do meu tamanho com o sentimento de saudade do meu bebê, mas com o orgulho de tê-lo ajudado a se desenvolver de maneira digna.

Sei que muitas surpresas ainda virão e pelo andar da carruagem, espero que sejam gratas surpresas.

Feliz da mulher que se casar com ele!!

segunda-feira, 13 de maio de 2013

CARLOS VILLAGRÁN



Com sua roupinha de marinheiro, suas bochechas inchadas e sua bola (que não é quadrada), Quico (Carlos Villagrán) do seriado Chaves, realizou neste último final de semana (12/05/2013) sua última apresentação em um circo no Rio de Janeiro/RJ.

Aos 69 anos, Carlos Villagrán interpreta com maestria seu personagem eternizado desde os anos 70 até as próximas gerações. Homem de uma alegria contagiante e disposição invejável, Carlos Villagrán ainda nos faz rir de alegria e chorar de emoção.


Isso me faz pensar. Eu, aos 50 anos, não tenho toda essa disposição. Não querendo ser ingrata, mas onde foi se esconder minha alegria dos 20 anos?  Cadê a minha disposição que ainda aos 40 anos me acompanhava? Quem ou o que subtraiu de mim os meus sonhos?

Para todas essas perguntas só posso pensar em uma única resposta. Nada, ninguém pode influenciar a vida de ninguém a ponto de transformar o que é bom em ruim e vice-versa.

Desde que nascemos fatos vão acontecendo em nossas vidas e por eles nos moldamos. A maneira com que encaramos os problemas é fundamental para melhor podermos conduzir nossas vidas de forma saudável. Ninguém nos furta os nossos sonhos, nós que permitimos que eles se vaporizem feito água fervendo no fogo. Se não providenciarmos um aparato para bloquear o vapor fazendo com que este se condense novamente em água, mesmo que esta não volte na mesma proporção original (afinal sonhos também têm que ser lapidados), deixaremos de tentar realizá-los.


Portanto, fica aqui minha homenagem a este homem que transmite tanto simpatia quanto alegria. Isso não quer dizer que sua vida tenha sido fácil sem atravessar nenhum tipo de crise, mas não permitiu que estas dificuldades atravessassem seu caminho sem que levasse um belo chute no traseiro.

Parabéns, Carlos Villagrán, que sua vida nos sirva de exemplo para vivermos com alegria e realizarmos nossos sonhos!

fotos: coletadas na internet (desconheço a autoria)

sábado, 11 de maio de 2013

E 22 ANOS SE PASSARAM...

Mais um sábado na minha vida, mas hoje não é um sábado qualquer. Há 22 anos um sábado especial aconteceu.

Como hoje, aquele sábado amanheceu frio, claro, ensolarado e o céu brilhava sem nuvens. Dentro de um hospital, eu já sentia as dores da vida que estava para chegar e eu ansiosa por conhecer cada traço de sua fisionomia, cada detalhe de seu corpinho e cada característica de sua personalidade. Sofri as dores com alegria e muita abnegação, pois sabia que com sua chegada toda e qualquer dor seria aliviada pelo imenso amor que já sentia desde o primeiro dia que soube que você estava se desenvolvendo dentro do meu ventre.

As horas foram passando. Desde o início da primeira pontada da dor do parto à meia noite, até seu nascimento se passaram 9h05min. Momentos de expectativa por tê-lo em meus braços e poder amamentar com muito orgulho meu filho amado.

Preparei-me nove meses como o atleta se prepara para uma importante competição, como o executivo diante de uma apresentação profissional, como o pastor na condução de suas ovelhas. E valeu a pena. Você chegou lindo, forte e perfeito!

Hoje se completam 22 anos desde aquele sábado frio e ensolarado. E como hoje, um sábado véspera de Dia das Mães! Você foi o presente mais perfeito que uma mãe de primeira viagem poderia receber neste dia. Agradeço a Deus todos os dias por me responsabilizar por uma pessoa tão brilhante, responsável e amorosa.

Obrigada, meu filho, por fazer parte da minha vida! Amo você incondicionalmente!!

Mamãe

foto: arquivo pessoal

sexta-feira, 10 de maio de 2013

OLHAR



Tanta coisa transmite

Alegria, tristeza
Ternura, ira

Amor, ódio
Castidade, sensualidade

Sempre pontos opostos
é ou não é

Que meu olhar
sempre transmita o que há de melhor

Que meu olhar
sempre desperte o melhor dos sentimentos

Que meu olhar
sempre conquiste sua amizade

Que meu olhar
seja sempre puro e verdadeiro!!

foto: arquivo pessoal

sábado, 4 de maio de 2013

RESUMINHO RÁPIDO

Há 50 anos, nasci, com certeza deve ter sido um dia feliz para meus pais. Completei meio século em 17/12/2012. 

Já tinha uma irmã mais velha e não me conformava com a quietude daquela menina de cachinhos dourados e olhos verdes. Tadinha dela, eu não dava nem um minuto de sossego sequer. Só vim a entender o que minha mãe dizia: "Menina, onde está o botão de liga e desliga?!", quando nasceu meu segundo filho André (o primeiro chama-se Felipe). Os dois são fruto do meu primeiro casamento.

Não era peralta, mas cheia de vida e curiosidade com tudo o que estava ao meu redor. E queria simplesmente fazer o que todas as crianças da minha idade queriam... brincar!

Tempos bons. Viagens com papai e mamãe. Estávamos sempre na estrada. Hora com as tias avantajadas de papai, hora com as tias sensatas de mamãe. Tudo dentro de uma Kombi com direito a muitas frutas (principalmente laranjas) para as provisões de viagem.

E os pic-nics na estrada? Aquela farra!! Com carteado e leitura da sorte nas cartas que uma tia-avó fazia (claro que dizia que iríamos nos casar com o  homem dos nossos sonhos, ganhar muito dinheiro e seríamos felizes para todo o sempre AMÉM!!)

Quatro anos mais tarde chegou minha irmã mais nova.

Casei (novamente) e mudei (de cidade). A paulistana hoje vive em Sorocaba e não deixou de ser aquela criança curiosa.

Formada em Administração de Empresa pela PUC/SP, hoje só gerencio meu lar, me meto a fazer arte com meus pincéis, lápis, tintas, ferramentas, madeira e colocar as mãos na terra cuidando das plantas do meu jardim e pequeno canteiro de temperinhos.

Sou de personalidade alegre e dificilmente perco o bom humor, mas o que me tira do sério é a injustiça e ignorância.

Essa sou eu, mulher cheia de esperança com a certeza de que Deus tem abençoado minha vida ricamente me dando muito mais do que merecia.

foto: arquivo pessoal